Objetiva-se refletir acerca do trabalho de fotógrafos, daqueles que atuam ou  atuaram no campo do fotojornalismo, que rompem com a barreira do estrito documento fotográfico, criando a possibilidade para uma imagem fotográfica mais reflexiva e provocadora. Os substratos escolhidos para a reflexão são narrativas visuais presentes em fotolivros dos fotógrafos escolhidos, a saber: Cláudia Andujar, Maureen Bisilliat, Miguel Rio Branco e Eustáquio Neves. Acredita-se encontrar nesses trabalhos uma “Fotografia Menor” (Gonçalves, 2009), no tocante a escolha dos retratados bem como no modo como esses são retratados, propiciando o aparecimento da Imagem Cristal (Fatorelli, 2003) ou encontros cristalinos. Tais características esbatem a fronteira entre o documento (informação) e a arte, tornando essas imagens e seus conjuntos matéria privilegiada para problematizações mais aprofundadas e reflexivas concernentes as questões apresentadas pelo referente fotográfico (de cunho social, político e ideológico); acredita-se que tais narrativas levam o observador dessas imagens para novos lugares e descobertas, movimento característico das imagens na arte. Importante marcar que os trabalhos apresentados inserem-se em contextos sociais e políticos demarcados e engajados com as causas de seu tempo.

Palavras-chave: Fotolivro; Narrativa Visual; Fotografia-expressão; Fotografia Menor; Imagem Cristal.

Sandra Maria Lúcia Pereira Gonçalves Professora Doutora do Departamento de Comunicação da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil.